TAP Portugal  
 
 
 
 

iconQuestionMark Perguntas Frequentes

Alterações Climáticas e Compensação das Emissões de Dióxido de Carbono

Qual é o impacto ambiental causado pelos voos?

O Painel Intergovernamental para as Mudanças Climáticas (IPCC), vencedor do Prémio Nobel, indica que a aviação contribui com cerca de 2% das emissões de dióxido de carbono produzido pelo homem (CO2). No entanto, existem suspeitas que emissões de aeronaves a alta altitude de outros gases além do CO2 possam ter um impacto adicional no aquecimento global. Neste momento decorrem pesquisas para investigar as complexas reacções físicas e químicas que ocorrem na atmosfera superior.

 
 
O que é a compensação de carbono?
A mudança climática é uma das maiores ameaças que enfrentamos. Actos do dia-a-dia como andar de carro ou voar consomem energia e produzem emissões de gases de estufa, particularmente o dióxido de carbono (CO2) – que contribui para a mudança climática. Governos, empresas e indivíduos, todos são responsáveis pela redução das emissões de carbono que são criadas. Você pode compensar pelas suas próprias emissões pagando a alguém para fazer o equivalente da poupança em gases de estufa. Isto é conhecido por “compensação de carbono” e inclui investimentos em projectos de energias renováveis, como a aeólica ou hidráulica. Mais e mais pessoas  e empresas estão a oferecer-se voluntariamente para compensar  as respectivas emissões. Compensar não é a ”cura” para a mudança climática; a forma mais eficaz de combater a mudança climática é reduzir as emissões. No entanto, se for feito da forma correcta, compensar pode reduzir o impacto das nossas acções e ajudar para aumentar a consciencialização do problema.
 
 
O que é a compensação de carbono para a aviação?
Os passageiros podem compensar as emissões causadas pelos seus voos. O princípio é que as emissões para cada voo sejam divididas pelos passageiros. Cada passageiro pode assim pagar para compensar as emissões causadas pela sua parte das emissões daquele voo. Os passageiros podem compensar as suas emissões investindo em projectos de redução de carbono que geram “créditos de carbono”.
 
 
O que são “créditos de carbono”?

Os passageiros podem comprar créditos de carbono emitidos por projectos certificados de energias renováveis e de eficiência energética, em países em desenvolvimento, que comprovadamente reduzem as emissões de gases com efeito de estufa. Um crédito de carbono é um certificado que representa uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) que foi retirada da atmosfera ou cuja emissão foi impedida.

Após a compra, estes créditos de carbono são "cancelados" num registo oficial, de modo a assegurar que não possam ser novamente vendidos ou utilizados. Os créditos de carbono criam um mercado para a redução das emissões de gases com efeito de estufa, mediante a atribuição de um valor monetário ao custo da poluição do ar. Existem dois tipos de créditos de carbono: reduções certificadas de emissões (Certified Emission Reductions - CERs), apoiadas pelas Nações Unidas, e reduções voluntárias de emissões (Voluntary Emission Reductions - VERs). As VERs contam com o apoio de padrões de qualidade reconhecidos, como o Voluntary Carbon Standard (VCS) e o Gold Standard. As VERs desempenham um papel importante em projectos de emissões com elevados benefícios em termos de desenvolvimento sustentável.

O Programa de Compensação de Emissões da TAP Portugal optou por investir somente nos créditos CER apoiados pelas Nações Unidas. A TAP acredita que actualmente as CERs proporcionam uma compensação de melhor qualidade. Contudo, logo que seja criado um registo global das VERs, validado pelo plano de garantia da qualidade da compensação de emissões de carbono (Quality Assurance Scheme for Carbon Offsetting), do Reino Unido, poderá também ser disponibilizada a aquisição de VERs de elevada qualidade.

Os projectos de redução de emissões de carbono têm uma duração limitada e a TAP reserva se o direito de investir em projectos com benefícios ambientais e sociais semelhantes, caso os créditos do projecto original já não se encontrem disponíveis.

 
 
Qual é o papel da compensação das emissões de carbono?
A compensação das emissões de carbono deve ser considerada como uma das muitas ferramentas que os indivíduos ou organizações podem usar para reduzir as emissões dos gases de estufa. Outros métodos incluem optar por energias renováveis, melhorar a eficácia energética em casa e no local de trabalho, ir de bicicleta para o trabalho, reciclar, conservar energia apagando as luzes, desligando o aquecimento ou ar condicionado. Para mais informações sobre as iniciativas de redução dos gases de estufa pode consultar o seguinte site.
 
 
A compensação das emissões de carbono da minha viagem é obrigatória?
Não, é inteiramente voluntária. Como passageiro é livre para compensar algum ou nenhum dos seus voos.
 
 
Que parte das receitas serão canalizadas para o Fundo de adaptação do MDL?

Sabe-se que as comunidades vulneráveis dos países em desenvolvimento necessitarão de se adaptar aos riscos decorrentes das alterações climáticas, tais como as inundações, as secas e a subida do nível do mar, e todos reconhecem que os actuais fundos para a adaptação não são suficientes.

O programa de compensação de CO2 da TAP Portugal investe em créditos certificados pela ONU obtidos através do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e, no quadro da decisão 1/CMP.3 da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, 2% das receitas obtidas em cada projecto MDL são utilizados para financiar projectos de adaptação em países vulneráveis às alterações climáticas.

Ao reservar os seus voos, os passageiros contribuem também para apoiar e financiar medidas de adaptação aos efeitos das alterações climáticas.

 
 

Calculadora de Carbono

Como é que calculo o volume de emissões de um voo?

A combustão de 1 quilograma (kg) de combustível de aeronave no motor de um avião produz 3.15 kg de dióxido de carbono (CO2). No entanto, o volume libertado por voo está dependente de vários factores tais como, a eficácia e manutenção, distância percorrida, a carga transportada (passageiros e mercadorias) e condições atmosféricas. Apesar de existirem várias maneiras para calcular as emissões de carbon de um voo, a TAP usa uma metodologia, desenvolvida pela Organização Internacional para a Aviação Civil (ICAO).

A Associação Internacional para o Transporte Aéreo (IATA) desenvolveu ainda mais este conceito ao criar uma ferramenta que permite às companhias aéreas usar os seus próprios dados verificados de consumos de combustível, peso de passageiros e carga, configuração dos assentos e factores de carga. Consegue-se assim o cálculo de emissões de CO2 por passageiro mais preciso que até agora foi desenvolvido.

 
 
A calculadora de carbono da IATA foi validada por entidades independentes?
Sim. O Esquema de Aprovação da Compensação de Carbono do Reino Unido reviu e aprovou ambos, a metodologia e os dados fornecidos pela companhia aérea. Uma vez por ano, uma companhia aérea parceira no programa de compensação da IATA será submetida pelo esquema a uma auditoria independente para assegurar a validade dos dados e a observância da metodologia aprovada.
 
 
Com que frequência é actualizada a calculadora de carbono?

A calculadora é actualizada anualmente, mas será actualizada mais frequentemente se entrar um novo avião na frota ou se for criada uma nova rota. O organismo de aprovação do Plano de Garantia de Qualidade do Programa de Compensação de Carbono do Reino Unido indica que, no caso de uma nova rota, a companhia aérea pode prever o valor de emissões de carbono com base em rotas similares (tipos de aeronave e distância) ou aguardar a recolha de informações específicas relativas à rota durante um período de um ano.

A TAP optou por não oferecer compensações em novas rotas, pagas pelos passageiros, até à recolha e aprovação de dados de suporte.

 
 
Como é considerado o valor da carga num avião, ao calcular a quota-parte das emissões dos passageiros numa determinada rota?
Como parte do método de cálculo, a ferramenta da IATA, subtrai as emissões associadas à carga, as quais podem ser transportadas num voo de passageiros, por forma a que sejam apenas contabilizadas as emissões atribuídas aos passageiros.
 
 
Por que razão são as emissões maiores nas viagens efectuadas em classe executiva?
Devido à sua configuração, os lugares da classe executiva são mais pesados e ocupam mais espaço num avião do que os lugares da classe económica. Com base nas recomendações da OACI (Organização da Aviação Civil Internacional), as emissões relativas às viagens em classe executiva são calculadas como sendo o dobro das emissões relativas às viagens em classe económica.
 
 
Na metodologia da calculadora de carbono, como é considerado o tipo de aeronave?
Diferentes aviões têm diferentes características (eficácia de combustível, configuração dos bancos, etc.) e, nas rotas onde são usados dois ou mais tipos de aeronaves, são consideradas os valores médios.
 
 
Como são calculadas as emissões para viagens com vários voos?
As emissões de cada voo da viagem são calculadas e adicionadas para totalizar o valor de emissões de CO2 de toda a viagem.
 
 
A calculadora de carbono da IATA tem em conta o impacto na altitude dos gases não-carbónicos?
Pesquisas efectuadas pelo vencedor do Prémio Nobel, Painel Intergovernamental para as Mudanças Climáticas (IPCC) indica que os gases não-carbónicos (CO2) como o vapor de água (rastos de condensação) e óxidos de nitrógenio (NOx), libertados pelos aviões em altitude têm um impacto indeterminado mas ainda assim adicional no aquecimento global, muito além do impacto causado apenas pelas emissões de carbono. Quando a comunidade científica internacional chegar a acordo sobre os factores de emissão para os gases não-carbónicos libertados por avião e for validado pelas Nações Unidas, a calculadora de carbono da IATA será actualizada.
 
 

Informação Financeira

A companhia aérea cobra uma taxa administrativa ou simbólica sobre o preço a compensação?

Ao contrário de muitos outros programas de compensação, a TAP não cobra uma taxa administrativa ou simbólica sobre o preço da compensação paga pelo passageiro. A TAP reconhece que os passageiros estão a fazer um donativo voluntário para melhorar o ambiente, e por isso, a empresa não deve tirar partido dessas contribuições. De facto, todos os custos administrativos envolvidos no programa incluindo o re-desenvolvimento do website, a recolha de dados sobre as emissões de carbono e compras de carbono são suportados pela empresa.

 
 
Porque é que diferentes fornecedores dão diferentes preços para compensar as mesmas emissões?
O preço das compensações de carbono está relacionado com dois factores principais: condições de mercado e qualidade. O carbono é um bem e quando a procura é alta, durante períodos de crescimento económico, o preço da compensação sobe e vice-versa. Para assegurar uma forte participação dos passageiros, o programa de compensação da TAP investe apenas em compensações da maior qualidade, e que foram entregues e verificados independentemente pelas Nações Unidas. Outros esquemas de compensação investem em projectos que não entregaram reduce emissões certificadas e/ou não foram sujeitos aos mesmos níveis de autenticação e verificação.
 
 
Porque é que o preço da compensação da mesma viagem sofre alterações ao longo do tempo?
Os créditos de carbono são bens transaccionáveis e, por conseguinte, o preço por tonelada reflecte o seu custo na data de aquisição dos créditos. Os preços dos créditos de carbono alteram se devido às condições do mercado, encontrando se também sujeitos à flutuação das taxas de câmbio. A TAP tentará garantir que estas alterações dos preços sejam mínimas.
 
 
Posso ser reembolsado no caso de pagar a compensação e depois não voar no respectivo voo?
Não, pagamento da compensação por parte do passageiro é equiparado a um donativo voluntário, e assim, se o passageiro paga a compensação mas não voa, esta poderá ser “creditada” para um voo subsequente onde não seja paga a compensação.
 
 

Aprovação do Programa de Compensação

Este programa foi aprovado por entidades independentes?
O programa de compensação da TAP foi aprovado pelo Quality Assurance Standard, o único standard de aprovação de qualidade do programa de compensação. O programa demonstrou ir de encontro aos critérios requeridos pelos esquema incluindo a integridade ambiental, metodologia de cálculo de emissões, clareza e transparência de preços, material de marketing e informação ao consumidor concreta. Além disso, o programa de compensação da TAP está autorizado a usar a Marca de Qualidade aprovada.